‘Regressão na Educação Infantil’

aluno com regressão na educação infantil
Annoyed mother helping son with homework sitting nearby at kitchen table

Primeiramente A regressão escolar na educação infantil será um dos assuntos abordados nesse artigo. Dessa forma foi realizado uma pesquisa em São Paulo. Relatando sobre os investimentos necessários para evitar a regressão na educação infantil. Então a regressão na educação infantil só vem agravando ainda mais durante a pandemia. Por isso tamanha preocupação por parte de todos que realmente importam com uma educação de qualidade para todos.

Mas Segundo um estudo feito em SP seriam necessários 11 anos de investimento em educação básica para recuperar os pontos perdidos em matemática durante a pandemia. Aluno de 10 anos relata que não consegue se concentrar nas aulas remotas. Por isso ele fica impaciente devido ao fato da mudança de tela no celular e os exercícios. Embora, o vocabulário também foi afetado depois de tempo vendo vídeos na internet.

Então, Durante a pandemia ele passou do 4° para o 5°ano. Em meio a tudo isso. No final de 2021 terminará o primeiro ciclo do ensino fundamental e avançar para aulas com matérias mais complexas. O que exigem maior capacidade de interpretação e pensamento abstrato. Mas a mãe Vivian Monteiro, de 39 anos, diz que ele está estagnado.

“Aprender eu acho que ele não aprendeu. Ele pega a lição, faz na hora, vira a página e depois esquece”, afirma.

 aluno com regressão na educação infantil

Uma pesquisa divulgada nesta semana afirma que os estudantes estão com déficit de aprendizagem. Mas a avaliação foi feita com 20,7 mil alunos do 5° e 9º anos do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio. Embora, todos da rede pública estadual de SP.

Alunos mais novos prejudicados

O maior prejuízo está nos alunos mais novos, do 5º ano. Comparado a exames de proficiência (que mede os conhecimentos em escala) feitos em 2019. É como se estes estudantes não só deixassem de avançar ao longo de 2020 mas também regredissem em relação a índices anteriores. O resultado acende um alerta para a educação e os impactos na aprendizagem.

Veja também:

Mais artigos e conteúdos para a educação infantil

Aprendizagem na educação básica durante a pandemia

Infográfico mostra  os resultados da avaliação da aprendizagem de estudantes do 5º e 9° anos do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio — Foto: G1

Para recuperar os 46 pontos de aprendizagem perdidos em matemática na pandemia. Seriam necessários 11 anos de investimentos em educação básica. Mas historicamente, os índices do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Usados como “régua” de referência para a análise da UFJF  evoluem cerca de 4 pontos a cada ano.

Embora, “Significa dizer que o esforço do aluno precisa ser dez vezes maior do que se ele estivesse no percurso normal”. Explica a coordenadora-geral do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Caed) Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Lina Kátia Mesquita de Oliveira. “E o esforço do professor da escola, da gestão curricular de mostrar habilidades básicas e essenciais e condições de materiais institucionais. É um conjunto de esforços muito grande e diferenciado”, avalia.

Embora, a pesquisa tenha sido feita na capital de São Paulo, os dados sinalizam o que pode estar ocorrendo em outras cidades.

Vizinha à capital. em Embu das Artes, Wallyson Felisdorio Silva, 10 anos, conta que tem dificuldades “nas contas de dividir no ‘vezes’ (multiplicação)”. Desde o ano passado ele está sem voltar à sala de aula da Escola Municipal Paulo Freire. Para estudar, reveza o celular com outros dois irmãos, de 12 e 8 anos. A professora faz uma vídeo chamada duas vezes por semana das 15h às 16h. Nos demais períodos, ele faz as atividades enviadas por WhatsApp.

“Eu prefiro a escola, tem a professora e ela ensina as coisas. Em casa, a aula é mais curtinha”, conta Wallyson.

 

“Ele não aprendeu muita coisa, dá para ver. Sempre estou na mesa por perto quando está tendo aula, vendo as dúvidas. Ele esqueceu, a leitura regrediu, a escrita também”. Como conclusão, avalia a mãe Miriam Maria da Silva, de 31 anos.

Fonte: https://g1.globo.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *